Siga nossas redes!

Como funciona o comprimento dos telômeros?

Saúde Física

A renovação celular, processo que ocorre de forma constante em nosso corpo, é realizada através da divisão celular. A cada etapa dessa divisão ocorre um encurtamento natural das sequências de DNA localizadas nas extremidades dos nossos cromossomos – os chamados telômeros.

Quando os telômeros atingem um comprimento crítico, a divisão celular fica prejudicada, pois as células não conseguem mais se dividir de maneira correta.

Diante disso, as células entram em um processo de envelhecimento que, posteriormente, resultará em morte celular.

Por isso, é possível associar a idade biológica com o tamanho dos telômeros, já que, quanto mais jovens as células, mais longos serão os telômeros e maiores serão suas capacidades de divisão.

Vários fatores influenciam o comprimento dos telômeros, tais como a obesidade, o cigarro e a predisposição genética.


O gene RTEL1 é um regulador de DNA helicase, uma enzima que tem capacidade de promover a abertura da hélice de DNA, que desempenha papéis importantes na definição e manutenção do comprimento dos telômeros e no reparo de DNA.

O alelo rs755017- G neste gene está associado a um maior comprimento dos telômeros e, consequentemente, a um envelhecimento mais tardio. Dessa forma, a presença de cada alelo rs755017-G no genótipo está relacionada a uma idade de aproximadamente 2,47 anos menor em relação à sua verdadeira idade.


Sugestões:
O seu genótipo não influencia no comprimento dos telômeros e, portanto, não está associado a um envelhecimento mais tardio. Contudo, a prática regular de atividade física, uma nutrição balanceada e o sono de qualidade ajudam a atenuar o processo natural de encurtamento dos telômeros. Por outro lado, eventos estressantes e hábitos não saudáveis podem desencadear um encurtamento acelerado dessas estruturas.


Referências bibliográficas:
CCODD, Veryan et al. Identification of seven loci affecting mean telomere length and their association with disease. Nature Genetics, v. 45, n. 4, p.422-427, 2013.

Artigos Relacionados

Faça parte da lista de conteúdo exclusivos.

Preencha o formulário abaixo para receber os conteúdos.

💬 Precisa de ajuda?