Siga nossas redes!

Trombose: Formação de massa sólida no interior dos vasos sanguineos.

Saúde Física

Pessimísmo e limitação na vida.


A pessoa se põe numa postura de estagnação diante de algumas situações da vida. Não acredita que será bem sucedida. Essa pessoa sempre foi ágil, dinâmica e com desembaraço para lidar com as situações. Mas vivenciou traumas ou crenças limitadoras de tal forma que antecipam a derrota. A visão pessimista acaba comprometendo o bom desempenho da pessoa diante desses desafios, e ela desiste mesmo antes de tentar, por temer passar por outros traumas. Deixa tudo porque já espera pelo pior.
Não está levando a vida como quer!


Trabalhar Interferências: Catástrofe, Conteúdo, Comparação, PNL Metaprogramas

Esses sintomas podem ser causados pelo que chamamos de Retorno Venoso Fraco. (RVF)
As veias devolvem o sangue desoxigenado ao coração e as artérias levam sangue oxigenado para o resto do corpo.
Retorno Venoso Fraco significa que as veias têm dificuldade para trazer o sangue de volta ao coração…


Causando o acúmulo de sangue sem oxigênio (ruim) nos pés e tornozelos.


As causas mais comuns são: pressão arterial e colesterol alto, acúmulo de placas de gordura nas artérias e o desenvolvimento de pequenos coágulos sanguíneos (tromboembolismo venoso).
Só que a maioria das soluções prescritas vêm com uma longa lista de efeitos colaterais.


Tosse seca, diarreia ou constipação, tonturas ou vertigens…
Cansaço, fraqueza, sonolência, dores de cabeça, náusea e até vômito!

Talvez você não saiba, mas um Ômega 3 de qualidade carrega dois poderosos mecanismos que nosso corpo não consegue produzir sozinho.
Falo dos ácidos graxos, especificamente do EPA (eicosapentaenoico) e DHA (docosahexaenoico). Tirando os nomes complicados, veja como eles são poderosos:

O EPA tem ação anti-INFLAMATÓRIA, agindo em veias, artérias e articulações.


Já o DHA tem ação anti-OXIDANTE, atuando no cérebro através da melhora na cognição e memória.


Falo isso, porque existe a quantidade de ácidos graxos ideal que todos deveríamos ingerir diariamente.


Um ômega 3 de qualidade deve entregar ao menos 1000 mg de EPA e DHA (juntos). Esta é a quantidade mínima ideal para a ação destes potentes restauradores da saúde.


Assim você poderá se livrar dos problemas de circulação, juntas e até cerebrais.

Por sua vez, o Ômega 3 – extraído do peixe-carvão do Pacífico Norte…


Tem, não apenas uma… nem duas… mas até TRÊS vezes mais concentração desses poderosos restauradores da saúde quando comparado com produtos comumente vendidos por aí.

Com 925 mg, só de EPA, suas artérias, veias e juntas ficarão limpas e livres de novo…

E somados aos 610 mg de DHA, sua mente vai recuperar a agilidade que você precisa para pensar com clareza e resgatar as memórias mais doces de sua vida.
Tomar antes de dormir ou após as refeições!

Ideal de 3 cápsulas ao dia.

Magnésio
A presença do Magnésio no organismo é necessária para que mais de 300 reações químicas ocorram! Ele produz energia, fortalece a musculatura, mantém o ritmo cardíaco normal, contribui para o desenvolvimento estrutural dos ossos e regula a glicose no sangue, entre outras ações que exerce em nosso corpo.
Confira, a seguir, algumas das vantagens que o Magnésio proporciona ao organismo:

• Auxilia a contração muscular, melhorando o desempenho físico;
• Fortalece os ossos, prevenindo a osteoporose;
• Regula o transporte do açúcar, o que contribui para a prevenção e controle da diabetes;

• Diminui o acúmulo de placas de gordura nos vasos sanguíneos, auxiliando na redução do risco de doenças cardíacas.

Ácido málico
A maçã é uma das principais fontes naturais do Ácido Málico, que é um composto orgânico, encontrado em frutas e legumes, e também produzido pelo organismo.
Entre seus principais benefícios estão sua capacidade de se ligar a substâncias potencialmente tóxicas, como chumbo e o alumínio, e eliminá-las do corpo. Além disso, o Ácido Málico aumenta a energia e a resistência muscular e mantém a pele firme e saudável.

  1. Fortalece o sistema imunológico
    O Magnésio é um regulador natural do sistema imunológico e o Ácido Málico tem função anti-inflamatória, o que contribui para o bom funcionamento do corpo como um todo.
  2. Previne lesões
    O Ácido Málico faz parte do Ciclo de Krebs, que é um processo químico de produção de energia para os músculos e órgãos. Enquanto isso, o Magnésio atua na ativação das moléculas de energia.
    Juntos, são essenciais para que o corpo se recupere após os gastos de energia, desde as atividades de esforço físico, como a musculação, até as funções metabólicas mais básicas, evitando o surgimento de lesões.
  3. Aumenta a energia
    Regulador natural do sono, outro dos benefícios do Magnésio Dimalato é permitir que você tenha noites de sono de qualidade, o que contribui para acordar cheio de disposição e energia para as tarefas diárias.
  4. Melhora a circulação sanguínea
    O Magnésio Dimalato contribui para a redução da pressão arterial, pois atua no controle dos espasmos nas artérias. Isso faz com que o sangue seja bombeado de modo ideal pelo coração, evitando lesões cardíacas e melhorando a circulação sanguínea.
    Os benefícios do Magnésio Dimalato paro organismo são muitos e sua deficiência pode provocar sintomas como falta de energia e lesões musculares, além de reduzir a imunidade, o que pode causar várias doenças.

Por isso, além de consumir alimentos que contenham o Magnésio e o Ácido Málico, você pode optar pela suplementação, por meio de cápsulas de Magnésio Dimalato.
Tomar antes do almoço 2 cápsulas!

A vitamina K2 também é indicada para o tratamento de sintomas da má circulação como a hemorróidas e varizes.
A presença de vitamina K2 permite uma neoformação óssea e também manutenção de um tecido elástico arterial, favorecendo o fluxo de sangue e o aporte de nutrientes e oxigênio para tecidos.
Tomar pela manhã!

A vitamina D3 é a melhor fonte natural de vitamina D e se une às células adiposas do organismo para ser usada no futuro. O colecalciferol fortifica o sistema imunológico, podendo prevenir o surgimento de doenças autoimunes, como a gripe e alergias sazonais.

A deficiência de vitamina D enfraquece os ossos, tornando-os mais sensíveis e prejudicando a absorção de cálcio. Isso pode levar a uma situação de osteoporose e tornar as fraturas mais comuns e factíveis. Da mesa maneira, é possível perceber dores nos ossos e nas articulações.

2 cápsulas ao dia pela manhã

Estudos mais recentes vêm mostrando que a Vitamina A age como antioxidante (combate os radicais livres que aceleram o envelhecimento e estão associados a algumas doenças).
1 cápsula ao dia após almoço

Fonte:

REFERÊNCIAS:

Aarsetoy, H., Ponitz, V., Nilsen, OB, Grundt, H., Harris, WS, e Nilsen, DW Baixos níveis de ômega-3 celular aumentam o risco de fibrilação ventricular durante a fase isquêmica aguda de um infarto do miocárdio. Reanimação 2008;78(3):258-264. Ver resumo.

Abbey, M., Clifton, P., Kestin, M., Belling, B., e Nestel, P. Efeito do óleo de peixe nas lipoproteínas, lecitina: colesterol aciltransferase e atividade da proteína de transferência de lipídios em humanos. Arteriosclerose 1990;10(1):85-94. Ver resumo.

Adam, O., Schubert, A., Adam, A., Antretter, N., e Forth, W. Efeitos dos ácidos graxos ômega-3 na função renal e na excreção de eletrólitos em pessoas idosas. Eur J Med Res 2-21-1998;3(1-2):111-118. Ver resumo.

Adams, PB, Lawson, S., Sanigorski, A., e Sinclair, AJ A proporção de ácido araquidônico para ácido eicosapentaenóico no sangue se correlaciona positivamente com sintomas clínicos de depressão. Lipídios 1996;31 Supl:S157-S161. Ver resumo.

Albert, CM, Hennekens, CH, O’Donnell, CJ, Ajani, UA, Carey, VJ, Willett, WC, Ruskin, JN e Manson, JE Consumo de peixe e risco de morte cardíaca súbita. JAMA 1-7-1998;279(1):23-28. Ver resumo.

Alexopoulos, E., Stangou, M., Pantzaki, A., Kirmizis, D., e Memmos, D. Tratamento da nefropatia por IgA grave com ácidos graxos ômega-3: o efeito de um regime de “dose muito baixa”. Ren falha. 2004;26(4):453-459. Ver resumo.

Almallah, YZ, Richardson, S., O’Hanrahan, T., Mowat, NA, Brunt, PW, Sinclair, TS, Ewen, S., Heys, SD, e Eremin, O. Proctocolite distal, citotoxicidade natural, e ácidos graxos essenciais. Am.J.Gastroenterol. 1998;93(5):804-809. Ver resumo.

Amin, AA, Menon, RA, Reid, KJ, Harris, WS e Spertus, JA Pacientes com síndrome coronariana aguda com depressão apresentam níveis baixos de ácidos graxos ômega-3 na membrana das células sanguíneas. Psychosom Med 2008;70(8):856-862. Ver resumo.

Amminger, GP, Berger, GE, Schafer, MR, Klier, C., Friedrich, MH, e Feucht, M. Suplementação de ácidos graxos ômega-3 em crianças com autismo: um estudo piloto duplo-cego randomizado e controlado por placebo. Biol.Psychiatry 2-15-2007;61(4):551-553. Ver resumo.

Antypa, N., Van der Does, AJ, Smelt, AH e Rogers, RD Ácidos graxos ômega-3 (óleo de peixe) e cognição relacionada à depressão em voluntários saudáveis. J. Psicofarmacol. 2009;23(7):831-840. Ver resumo.

Appel, LJ, Miller, ER, III, Seidler, AJ e Whelton, PK A suplementação da dieta com ‘óleo de peixe’ reduz a pressão arterial? Uma meta-análise de ensaios clínicos controlados. Arch Intern Med 6-28-1993;153(12):1429-1438. Ver resumo.

Arab, K., Rossary, A., Flourie, F., Tourneur, Y., e Steghens, JP O ácido docosahexaenóico aumenta a resposta antioxidante dos fibroblastos humanos através da regulação positiva da gama-glutamil-cisteinil ligase e da glutationa redutase. Br J Nutr 2006;95(1):18-26. Ver resumo.

Archer, SL, Green, D., Chamberlain, M., Dyer, AR, e Liu, K. Associação de peixe dietético e ingestão de ácidos graxos n-3 com fatores hemostáticos no estudo de desenvolvimento de risco de artéria coronária em adultos jovens (CARDIA) . Arterioscler Thromb.Vasc.Biol 1998;18(7):1119-1123.

Arm, JP, Horton, CE, Mencia-Huerta, JM, House, F., Eiser, NM, Clark, TJ, Spur, BW e Lee, TH Efeito da suplementação dietética com lipídios de óleo de peixe na asma leve. Tórax 1988;43(2):84-92. Ver resumo.

Arm, JP, Horton, CE, Spur, BW, Mencia-Huerta, JM e Lee, TH Os efeitos da suplementação dietética com lipídios de óleo de peixe na resposta das vias aéreas ao alérgeno inalado na asma brônquica. Am Rev Respir.Dis 1989;139(6):1395-1400. Ver resumo.

Arteaga, A., Villanueva, CL, Skorin, C., Guasch, V., Solis, de Ovando, Velasco, N., Acosta, AM, e Leighton, F. [Pacientes dislipidêmicos com cardiopatia coronariana. Efeito de diferentes doses de ácidos graxos ÔMEGA-3 nos lipídios e lipoproteínas séricas]. Rev Med Chil. 1993;121(6):618-625. Ver resumo.

Arterburn, LM, Hall, EB e Oken, H. Distribuição, interconversão e resposta à dose de ácidos graxos n-3 em humanos. Am J Clin Nutr 2006;83(6 Supl):1467S-1476S. Ver resumo.

Aslan, A. e Triadafilopoulos, G. Suplementação de ácidos graxos com óleo de peixe na colite ulcerativa ativa: um estudo cruzado, duplo-cego, controlado por placebo. Am J Gastroenterol 1992;87(4):432-437. Ver resumo.

Augood, C., Chakravarthy, U., Young, I., Vioque, J., de Jong, PT, Bentham, G., Rahu, M., Seland, J., Soubrane, G., Tomazzoli, L., Topouzis, F., Vingerling, JR e Fletcher, AE Consumo de peixes oleosos, ingestão dietética de ácido docosahexaenóico e ácido eicosapentaenóico e associações com degeneração macular neovascular relacionada à idade. Am J Clin Nutr 2008;88(2):398-406. Ver resumo.

Bahadori, B., Uitz, E., Thonhofer, R., Trummer, M., Pestemer-Lach, I., McCarty, M., e Krejs, GJ Infusões de ácidos graxos ômega-3 como terapia adjuvante na artrite reumatóide. JPEN J Parenter.Enteral Nutr 2010;34(2):151-155. Ver resumo.

Bairati, I., Roy, L., e Meyer, F. Ensaio duplo-cego, randomizado e controlado de suplementos de óleo de peixe na prevenção da recorrência de estenose após angioplastia coronária. Circulação 1992;85(3):950-956. Ver resumo.

Bairati, I., Roy, L., e Meyer, F. Efeitos de um suplemento de óleo de peixe na pressão arterial e lipídios séricos em pacientes tratados para doença arterial coronariana. Pode J Cardiol 1992;8(1):41-46. Ver resumo.

Balk, E., Chung, M., Lichtenstein, A., Chew, P., Kupelnick, B., Lawrence, A., DeVine, D., e Lau, J. Efeitos dos ácidos graxos ômega-3 no risco cardiovascular fatores e marcadores intermediários de doenças cardiovasculares. Evid.Rep.Technol.Assess.(Summ.) 2004;(93):1-6. Ver resumo.

Barberger-Gateau, P., Raffaitin, C., Letenneur, L., Berr, C., Tzourio, C., Dartigues, JF, e Alperovitch, A. Padrões alimentares e risco de demência: o estudo de coorte de três cidades. Neurologia 13-11-2007;69(20):1921-1930. Ver resumo.

Barcelli, U., Glas-Greenwalt, P., e Pollak, VE Efeito intensificador da suplementação dietética com ácidos graxos ômega-3 na fibrinólise plasmática em indivíduos normais. Thromb.Res 8-1-1985;39(3):307-312. Ver resumo.

Baril, JG, Kovacs, CM, Trottier, S., Roederer, G., Martel, AY, Ackad, N., Koulis, T., e Sampalis, JS Eficácia e tolerabilidade da administração oral de óleo de salmão em baixas doses para HIV pacientes com dislipidemia associada à HAART. HIV.Clin.Trials 2007;8(6):400-411. Ver resumo.

Baro, L., Fonolla, J., Pena, JL, Martinez-Ferez, A., Lucena, A., Jimenez, J., Boza, JJ e Lopez-Huertas, E. n-3 Ácidos graxos mais ácido oleico e o consumo de leite suplementado com vitaminas reduz o colesterol total e LDL, a homocisteína e os níveis de moléculas de adesão endotelial em humanos saudáveis. Clin.Nutr. 2003;22(2):175-182. Ver resumo.

Bartelt, S., Timm, M., Damsgaard, CT, Hansen, EW, Hansen, HS, e Lauritzen, L. O efeito da suplementação dietética de óleo de peixe para homens jovens saudáveis ​​​​na explosão oxidativa medida pela quimioluminescência do sangue total. Br J Nutr 2008;99(6):1230-1238. Ver resumo.

Bartram, HP, Gostner, A., Scheppach, W., Reddy, BS, Rao, CV, Dusel, G., Richter, F., Richter, A., e Kasper, H. Efeitos do óleo de peixe na proliferação de células retais , ácidos graxos da mucosa e liberação de prostaglandina E2 em indivíduos saudáveis. Gastroenterologia 1993;105(5):1317-1322. Ver resumo.

Bates, D., Cartlidge, NE, French, JM, Jackson, MJ, Nightingale, S., Shaw, DA, Smith, S., Woo, E., Hawkins, SA, Millar, JH, e. Um ensaio duplo-cego controlado de ácidos graxos poliinsaturados n-3 de cadeia longa no tratamento da esclerose múltipla. J Neurol Neurosurg Psychiatry 1989;52(1):18-22. Ver resumo.

Bath-Hextall, FJ, Jenkinson, C., Humphreys, R. e Williams, HC Suplementos dietéticos para eczema atópico estabelecido. Cochrane.Database.Syst.Rev. 2012;2:CD005205. Ver resumo.

Bays, HE, Maki, KC, Doyle, RT e Stein, E. O efeito da prescrição de ácidos graxos ômega-3 no peso corporal após 8 a 16 semanas de tratamento para níveis muito elevados de triglicerídeos. Pós-graduação.Med 2009;121(5):145-150. Ver resumo.

Beavers, KM, Beavers, DP, Bowden, RG, Wilson, RL e Gentile, M. Efeito da administração de óleo de peixe sem receita nos níveis plasmáticos de Lp(a) em uma população com doença renal em estágio terminal. J Ren Nutr 2009;19(6):443-449. Ver resumo.

Beblo, S., Reinhardt, H., Demmelmair, H., Muntau, AC, e Koletzko, B. Efeito da suplementação de óleo de peixe no status de ácidos graxos, coordenação e habilidades motoras finas em crianças com fenilcetonúria. J.Pediatra. 2007;150(5):479-484. Ver resumo.

Bell, SJ, Chavali, S., Bistrian, BR, Connolly, CA, Utsunomiya, T., e Forse, RA Óleo de peixe dietético e produção de citocinas e eicosanóides durante a infecção pelo vírus da imunodeficiência humana. JPEN J Parenter.Enteral Nutr. 1996;20(1):43-49. Ver resumo.

Bemelmans, WJ, Broer, J., Feskens, EJ, Smit, AJ, Muskiet, FA, Lefrandt, JD, Bom, VJ, May, JF e Meyboom-de Jong, B. Efeito de um aumento na ingestão de alfa-linolênico ácido e educação nutricional em grupo sobre fatores de risco cardiovascular: o estudo Mediterrâneo Alpha-linolênico Enriched Groningen Dietary Intervention (MARGARIN). Am J Clin Nutr 2002;75(2):221-227. Ver resumo.

Benito, P., Caballero, J., Moreno, J., Gutierrez-Alcantara, C., Munoz, C., Rojo, G., Garcia, S., e Soriguer, FC Efeitos do leite enriquecido com gordura ômega-3 ácido, ácido oleico e ácido fólico em pacientes com síndrome metabólica. Clin.Nutr. 2006;25(4):581-587. Ver resumo.

Bent, S., Bertoglio, K., Ashwood, P., Bostrom, A., e Hendren, RL Um ensaio piloto randomizado controlado de ácidos graxos ômega-3 para transtorno do espectro do autismo. J. Autismo Dev.Disord. 2011;41(5):545-554. Ver resumo.

Berbert, AA, Kondo, CR, Almendra, CL, Matsuo, T., e Dichi, I. Suplementação de óleo de peixe e azeite em pacientes com artrite reumatóide. Nutrição 2005;21(2):131-136. Ver resumo.

Bergmann, RL, Haschke-Becher, E., Klassen-Wigger, P., Bergmann, KE, Richter, R., Dudenhausen, JW, Grathwohl, D., e Haschke, F. Suplementação com 200 mg/dia de ácido docosahexaenóico de entre o meio da gravidez e a lactação melhora o nível de ácido docosahexaenóico das mães com uma ingestão habitualmente baixa de peixe e dos seus bebés. Ann Nutr Metab 2008;52(2):157-166. Ver resumo.

Bethune, C., Seierstad, SL, Seljeflot, I., Johansen, O., Arnesen, H., Meltzer, HM, Rosenlund, G., Froyland, L., e Lundebye, AK Ingestão dietética de salmão alimentado de forma diferente: a estudo preliminar sobre contaminantes. Eur J Clin Invest 2006;36(3):193-201. Ver resumo.

Bjorneboe, A., Smith, AK, Bjorneboe, GE, Thune, PO e Drevon, CA Efeito da suplementação dietética com ácidos graxos n-3 nas manifestações clínicas da psoríase. Br J Dermatol 1988;118(1):77-83. Ver resumo.

Bjornsson, S., Hardardottir, I., Gunnarsson, E., e Haraldsson, A. A suplementação dietética de óleo de peixe aumenta a sobrevivência em camundongos após infecção por Klebsiella pneumoniae. Scand J Infect Dis 1997;29(5):491-493. Ver resumo.

Block, RC, Harris, WS, Reid, KJ, Sands, SA, e Spertus, JA EPA e DHA em membranas de células sanguíneas de pacientes com síndrome coronariana aguda e controles. Aterosclerose 2008;197(2):821-828. Ver resumo.

Blok, WL, Deslypere, JP, Demacker, PN, van, der, V, Hectors, MP, van der Meer, JW e Katan, MB Citocinas pró e antiinflamatórias em voluntários saudáveis ​​alimentados com várias doses de óleo de peixe por 1 ano. Eur J Clin Invest 1997;27(12):1003-1008. Ver resumo.

Boberg, M., Pollare, T., Siegbahn, A., e Vessby, B. A suplementação com ácidos graxos n-3 reduz os triglicerídeos, mas aumenta o PAI-1 no diabetes mellitus não dependente de insulina. Eur J Clin Invest 1992;22(10):645-650. Ver resumo.

Bonaa, KH, Bjerve, KS, Straume, B., Gram, IT, e Thelle, D. Efeito dos ácidos eicosapentaenóico e docosahexaenóico na pressão arterial na hipertensão. Um ensaio de intervenção de base populacional do estudo Tromso. N Engl J Med 3-22-1990;322(12):795-801. Ver resumo.

Borchgrevink, CF, Skaga, E., Berg, KJ e Skjaeggestad, O. Ausência de efeito profilático do ácido linolênico em pacientes com doença cardíaca coronária. Lancet 7-23-1966;2(7456):187-189. Ver resumo.

Borgeson, CE, Pardini, L., Pardini, RS, e Reitz, RC Efeitos do óleo de peixe na dieta no carcinoma mamário humano e nas enzimas metabolizadoras de lipídios. Lipídios 1989;24(4):290-295. Ver resumo.

Bosch, J., Gerstein, HC, Dagenais, GR, Diaz, R., Dyal, L., Jung, H., Maggiono, AP, Probstfield, J., Ramachandran, A., Riddle, MC, Ryden, LE, e Yusuf, S. ácidos graxos n-3 e resultados cardiovasculares em pacientes com disglicemia. N.Engl.J.Med. 26-07-2012;367(4):309-318. Ver resumo.

Bouwens, M., van de Rest, O., Dellschaft, N., Bromhaar, MG, de Groot, LC, Geleijnse, JM, Muller, M., e Afman, LA A suplementação de óleo de peixe induz perfis de expressão gênica antiinflamatória em humanos células mononucleares do sangue. Am.J.Clin.Nutr. 2009;90(2):415-424. Ver resumo.

Bowden, RG, Jitomir, J., Wilson, RL, e Gentile, M. Efeitos da suplementação de ácidos graxos ômega-3 nos níveis lipídicos em pacientes com doença renal em estágio terminal. J.Ren Nutr. 2009;19(4):259-266. Ver resumo.

Bowden, RG, Wilson, RL, Deike, E., e Gentile, M. A suplementação de óleo de peixe reduz os níveis de proteína C reativa independente da redução de triglicerídeos em pacientes com doença renal em estágio terminal. Nutr.Clin.Pract. 2009;24(4):508-512. Ver resumo.

Bowden, RG, Wilson, RL, Gentile, M., Ounpraseuth, S., Moore, P., e Leutholtz, BC Efeitos da suplementação de ácidos graxos ômega-3 na trombose de acesso vascular em enxertos de politetrafluoretileno. J Ren Nutr 2007;17(2):126-131. Ver resumo.

Braden, GA, Knapp, HR, Fitzgerald, DJ e FitzGerald, GA O óleo de peixe dietético acelera a resposta à trombólise coronária com ativador de plasminogênio do tipo tecidual. Evidência de um modesto efeito inibitório plaquetário in vivo. Circulação 1990;82(1):178-187. Ver resumo.

Artigos Relacionados

Faça parte da lista de conteúdo exclusivos.

Preencha o formulário abaixo para receber os conteúdos.

💬 Precisa de ajuda?